31 de maio de 2010

a coragem do amor que dura

É só quando amo que consigo olhar, ao mesmo tempo, por duas janelas que não se confundem, a minha e a de meu amado. A estranha experiência ótica faz com que os amantes reconstruam o mundo, enxergando coisas que ficam escondidas para quem só sabe olhar por uma janela.
Entende-se que o amor assim definido exija tempo. Quanto tempo? Um mês, um ano, uma vida, tanto faz. Consumir-se na paixão pode ser rápido, mas reinventar o mundo a dois é uma tarefa de fôlego.
O amor segundo Badiou, em suma, é uma aventura, mas que precisa ser obstinada: “Abandonar a empreitada ao primeiro obstáculo, à primeira divergência séria ou aos primeiros problemas é uma desfiguração do amor. Um amor verdadeiro é o que triunfa duravelmente, às vezes duramente, dos obstáculos que o espaço, o mundo e o tempo lhe propõem”.
+++
trecho do texto de contardo calligaris que eu li no don’t touch my moleskins. a ilustração é do botero. lindo.

preguiça...

bem-vinda de novo segundona. (foto daqui)

28 de maio de 2010

ótimo final de semana a todos!!!

música pra inspirar!

porque me arrasto a seus pés?

eu adoro sexta-feira. as vezes gosto até mais da sexta do que do final de semana inteiro. pra mim, a sexta é a introdução, o prelúdio do que o final de semana pode trazer. carrega toda a expectativa do que está por vir e faz o olho brilhar só de imaginar. mesmo que você não tenha nada especial programado. mesmo que você faça exatamente o que sempre faz. mas na sexta você pode acreditar que seu final de semana vai ser especial. sexta-feira pra mim é dia de trabalhar menos, já que os belgas saem pra seus almoços longos e chás da tarde com bolo; dia de fazer as unhas e deixá-las coloridas; de fazer as sombrancelhas vez por outra e de esticar mais o papo no almoço. dia de vinho, pizza e conversas animadas no fretado. dia de curtir a família sem hora pra nada já que amanhã o compromisso é mais flexível. e também é dia que o controle remoto é só meu. (foto daqui)

a gente transforma

marcelo rosembaum tá com um projeto super bacana no capão redondo/sp. junto com a casa do zezinho e a suvinil, ele, os moradores e estudantes voluntários vão levar mais cor e, conseqüentemente, mais vida ao bairro de são paulo. tudo contado em detalhes no site a gente transforma. mais uma prova de que pra mudar algo, só é preciso iniciativa!

vai ser sempre assim

godiva do irajá

não gosto de futebol, não assisto novela a muito tempo, não assisto big brother e não considero axé, pagode e sertaneja gêneros musicais de qualidade. também não gosto de samba, concluo que devo ser doente do pé. música pop também não é comigo, salvo algumas muito raras exceções. e isso foi motivo pra eu me achar estranha, sempre no mal sentido, claro. ter sido sempre diferente da maioria foi pesado pra mim um incontável número de vezes. mas depois a gente cresce, e vê que não é nenhum ser de outro mundo e tudo passa. mas enfim, tudo isso, pra falar que acho a música da lady gaga um grande e barulhento lixo. fato. mas ainda tenho dúvidas quanto a sua figura controversa. as vezes acho pura jogada de marketing. pessoa bem assessorada dá nisso. muito espalhafatosa, extravagante e aparecida mas sem conteúdo. aparecer por aparecer. pra ver, ao final das contas, quem tem os 15 minutos de fama mais duradouro. e as vezes, quando leio alguma coisa parecida com o texto da marcia tiburi na edição de maio/2010 da revista cult, até acho que ela realmente pode ir além de tudo isso e ter alguma representatividade importante no movimento pós-feminista.
+++
Antes de mais nada, é preciso ver que Lady Gaga, a despeito da qualidade boa ou má de si mesma e do que ela produz, vem a nós com números impressionantes. Se na internet seus vídeos são vistos por milhões de pessoas (certamente, quando você ler este artigo, os números serão ainda maiores) é porque ela mesma sabe – ou o diretor e roteirista de seus belos videoclipes nos quais a quantidade aparece, seja na nota de dólar com o rosto de Gaga como no vídeo de “Paparazzi”, seja em “Bad Romance” nos índices na cena dos computadores – que se trata em sua obra da questão da quantidade, mais do que da qualidade. A Indústria Cultural sempre tem na quantidade uma questão mais importante do que a qualidade, mas, se Lady Gaga sabe disso e não o esconde, é porque elevou o cinismo a discurso, mas, ao mesmo tempo, lança-nos uma ironia capaz de fazer pensar.
+++
pra ler o artigo inteiro clique aqui. a foto é daqui.

quero ficar no teu corpo feito tatuagem

tenha uma tatuagem de golfinho horrorosa. foi feita numa época onde eu, muito mais jovem, achava que tinha uma ligação transcendental com os bichinhos e tals. essas coisas tolinhas que a gente pensa quando tem vinte e poucos anos. faz algum tempo que venho pensando em cobrir o tal mamífero com uma carpa, símbolo oriental de perseverança, virtude que se fará muuuito necessária nesta nova fase da minha vida. não sei. talvez. muito tempo ocioso no trabalho dá nisso.

sorte II


a próxima edição da revista vanity fair traz o triângulo amoroso mais quente da ilha de lost em fotos, digamos, lindas. coisa mais chata isso viu e a gente fica aqui chupando o dedo... veja mais algumas fotos aqui.

25 de maio de 2010

sorte

tive muita sorte contigo embora
te tenha escolhido a dedo
mas o meu dedo é pouco ajuizado
em suma não é de confiança
mesmo que saiba melhor do que eu
as coisas acontecem àqueles que acreditam
no alcance de um dedo bem apontado

12 de maio de 2010

mãe

fica aqui minha homenagem, ainda que atrasada, a todas as mães, que muito antes de serem apenas mães, são mulheres, todas complicadas e perfeitinhas, doidas e santas!

10 de maio de 2010

as muito feias que me perdoem, mas beleza é fundamental...

'Eu nunca desculpei Vinícius de Moraes por este verso. O poetinha morreu sem meu perdão. Como ele pode jogar na minha cara, em plena adolescência, que beleza é fundamental? Justo pra mim, que vim ao mundo totalmente desprovida desse dom?
Aliás, se tem uma coisa que Deus não distribuiu com justiça entre os mortais é a beleza, que sempre foi de poucos. Desde que o mundo é mundo, os belos são uma elite, detentora de um poder avassalador contra o qual não há argumento.
O que fazer? Revoltar-se contra o belo? Maldizer a beleza? Quem se atreve?
A beleza nos faz calar a boca sem direito de resposta. Diante dela só há uma atitude possível: render-se. Ressentimento e inveja, não melhoram em nada a situação.
A vida dos belos corre sobre roldanas. Todos lhe dão a vez, o lugar e o coração.
Eles nem imaginam o trabalho que a feiúra dá. Mal principia a manhã e lá vai a feia carregando sua cruz, tentando se equilibrar no salto, sem perder a linha nem o bom humor (feiúra e mau humor juntos, não há quem agüente).
O jeito é rir, rir muito, rir de si própria. Uma boa gargalhada deixa qualquer boca maravilhosa, mesmo que ela seja torta como a minha.
Desde pequena a mulher feia é obrigada a buscar algo, alguma coisa, qualquer coisa que faça sua feiúra passar desapercebida. É assim que nascem muitas das grandes cientistas, físicas arquitetônicas, astronautas mirabolantes, deputadas enraivecidas, trapezistas, cineastas, jornalistas e, principalmente, escritoras que, inconformadas com sua triste sina, começam desde cedo a fabricar realidades.
A mulher feia não pode deixar por menos. Ela tem que ofuscar. O problema é quando ela erra a mão e acaba ofuscando tanto que fica sozinha de novo. De volta ao começo.
Outra forma de distrair o olhar da platéia é ter uma filha linda como eu tive. Ganhei salvo conduto pra vida inteira.
- Esta é sua filha?
A beleza da Bebel me redimiu e, por causa dela, já não sou tão feia como antigamente. Ela me mostrou como é fácil a vida de uma mulher bela.
Ainda bem que foi assim. Já pensou se fosse o contrário?'

(crônica de ivana arruda leite publicada na Revista da Folha, em 2004, foto daqui)

2 de maio de 2010

olha aí, é o meu guri!

video feito inteirinho pelo meu filho pra participar de um concurso da level up feito para os jogadores do game grand chase. juro que não demos nenhum pitaco, sobre programas de gravação, trilha sonora e nem mesmo sobre como subir o jogo pro you tube. ele fuçou e fez tudo sozinho! ah essas crias da modernidade tecnológica...