29 de agosto de 2008

ótimo fim de semana!!!


gotas de chuva continuam caindo em minha cabeça.

e, como aquele sujeito, que tem pés tão grandes que ficam pra fora de sua cama e nada parece se ajustar, esses pingos de chuva estão caindo em minha cabeça, eles continuam caindo.

então, bati um papo com o sol, e disse que não gostava muito do modo como ele estava conduzindo as coisas, dormindo assim no trabalho. esses pingos de chuva estão caindo em minha cabeça, eles continuam caindo.

mas uma coisa eu sei, toda a tristeza que eles me mandaram, não vai me derrotar. não vai demorar muito pra felicidade me encontrar. pingos de chuva continuam caindo em minha cabeça, mas isso não significa meus olhos ficarão vermelhos logo, chorar não é pra mim e eu nunca vou parar a chuva só reclamando. porque eu sou livre, nada me preocupa.

27 de agosto de 2008

o que é isso companheiro?

ainda bem que acabou. é feio dizer isso, mas eu não aguentava mais passar vergonha. o desempenho do brasil nas olim-piadas, teve bem a cara da nossa tosca dupla de heróis Presidente Manguaçado da Silva e sua Mulher Magazine, foi uma grande sucessão de piadas prontas, como diria o zé simão. tudo bem que nenhum governo brasileiro foi mesmo de dar grandes incentivos ao esporte brasileiro, mas esse por ser o último nos parece sempre o pior de todos. é muito triste ver um bando de atletas que se empenhou tanto, se dedicou, treinou exaustivamente por tempos, e acabaram tudo morrendo na praia depois de nadar tanto. reverencio e agradeço aos poucos atletas que conseguiram suas medalhas, porque esses estão mais pra guerreiros do que pra atletas, porque chegaram lá, na maioria das vezes utilizando recursos próprios, nadaram contra a corrente comos os outros e ainda assim conseguiram vencer. e por causa deles eu consigo ter um pouquinho de esperança no brasil, bem pouquinho mesmo, bem lá na raspinha do tacho.

26 de agosto de 2008

sugar never tasted so good

e o navio foi pro mar... carregando pouco mais de 13 mil toneladas de açúcar pra adoçar todo o povo muçulmano da áfrica durante o período do ramadã. o ramadã é o nono mês do calendário islâmico. é considerado sagrado, pois foi escolhido por Alá para a revelação de todo o alcorão, em um única noite. nesse período, os muçulmanos jejuam do alvorecer até o pôr-do-sol e oram muito, renovando seus votos de fé, e praticando a caridade e a fraternidade de forma bastante intensa. durante o dia, é permitido ingerir cubinhos de açúcar pra dar energia e do pôr-do-sol ao alvorecer ele podem fazer refeições leves e tomar chá adoçado com bastante açúcar. o norte da áfrica possui a segunda maior concentração de seguidores do islamismo, perdendo apenas para a índia e o paquistão e o país é também um dos principais destinos pra exportação de açúcar do brasil. e é aí que entra o navio lá do começo, levando açúcar pra dois portos do norte da áfrica, conacri e bissau. a cidade de conacri, capital da guiné foi colonizada pelos franceses até quase o final da década de 60, quando o povo rejeitou a proposta de pertencer a uma comunidade francesa e elegeu, através de um plebiscito, um presidente que virou um ditador sanguinário, que não fazia a menor idéia do que poderiam ser direitos humanos e nem sequer tinha ouvido falar de liberdade de expressão. história muito parecida com a de outros países da áfrica. pra variar um pouquinho também, o país possui uma da maiores reservas de bauxita já descobertas no planeta, além de minério de ferro, diamante, ouro e até urânio. já bissau, é a capital de guiné-bissau colônia de nossos já conhecidos portugueses, utilizada como fortificação militar e entreposto de tráfico negreiro desde sua fundação e qualquer semelhança com nossa pindorama é mera coincidência. após algumas diversas revoluções, o poder foi tomado por um conselho revolucionário em meados da década de 70, passadas mais algumas décadas tiveram sua primeira eleição pra presidente, e contam com casos de golpes militares e guerras civis em seu histórico, repetindo outra história também comum na áfrica. a economia do país depende fortemente da agricultura e da pesca. o arroz é o cereal mais produzido e é o sexto colocado na produção mundial da castanha de caju. exportam também peixe, mariscos e amendoim, semente de palma e madeira. é uma pena que um país tão grande e com tamanha riqueza tenha caído em mãos colonizadoras tão erradas e interesseiras. a empreitada européia segregou e dividiu um continente inteiro por conta de uma colonização bagunçada, usufruidora e usurpadora. pra saber mais sobre o segundo maior continente do mundo em extensão territorial, clique aqui. (foto do brasileiro vik muniz)

12 de agosto de 2008

lazy day

tô com tanta preguiça hoje... vontade de num fazê nada, nem pensar...
só balançar numa rede... pra lá e pra cá... pra lá e pra cá...

4 de agosto de 2008

everytime we say goodbye

como diz a música do cole porter, toda vez que a gente diz adeus, a gente morre um pouquinho. fica aquele vazio enorme dentro da gente, que depois vai sendo preenchido de novo, quando a vida vai voltando a rotina. e ontem, pela primeira vez em sua curta vidinha, meu filho de 08 anos compreendeu o significado disso. minha mãe, que passou quase todo o julho por aqui, foi embora neste final de semana, meu pai veio buscá-la. quando todas as coisas esparramadas pelos cômodos começaram a ser recolhidas e as malas começaram a ser arrumadas, ele veio me dizer que tava sentindo uma coisa estranha, assim lá dentro, lá pras bandas do estômago, chegando perto do coração. eu ri, não de deboche, mas de encantamento, e disse que aquilo já era a saudade que tava chegando e tentanto se instalar. passou um pouquinho. combinamos que assim que os avós fossem embora, ele iria direto para o banho, e assim foi. depois dos abraços, beijos e choros da despedida, que dispensam maiores comentários, lá foi ele diretinho pro banheiro, sem nenhum ‘já vai’ ou tô indo’, nada. quando saiu, os olhos vermelhos, veio pra mim só de toalha, todo molhado, e disse que tinha muito medo que acontecesse uma coisa com os avós, uma coisa daquela que eu já sabia, assim, tipo morrer. ri de novo, mas de novo não foi de deboche, foi de entendimento. percebi que aquela criaturinha, em pé na minha frente, literalmente despido de qualquer defesa, tinha crescido um pouquinho lá dentro e acabava de descobrir que a vida da gente é finita. nos abraçamos e choramos. e eu, que também não tenho muita certeza de algumas coisa e ainda busco respostas pra um monte de perguntas, fiquei ali muda, sem saber o que dizer e nem por onde começar. respirei fundo, contei até dez e busquei lá no fundo uma explicação nem tão lúdica, nem tão crua pra dar a uma criança de 08 anos, sobre um assunto deveras triste. comecei dizendo que todos nós vamos morrer algum dia, mais cedo ou mais, e que por esse motivo devemos nos esforçar bastante pra evitar as brigas, mal-criações e teimosias, porque quando chegar a hora de alguém querido ir embora, teremos dele mais lembranças boas que ruins pra guardar e levar com a gente. e que por mais que não estejamos aqui perto uns dos outros na presença física, um sempre vai carregar o outro consigo, no coração e no pensamento. e falando assim acalmei suas dúvidas e acabei acalmando um pouco as minhas também.

1 de agosto de 2008

não é assim tão complicado

meu sorriso é só disfarce...
quando eu falo que eu já nem quero, a frase fica pelo avesso, meio na contramão.
e quando finjo que esqueço, eu não esqueci nada...