30 de janeiro de 2008

pra começar...


Esses dias, li uma crônica no blog da Franka, onde ela relata nos mínimos detalhes, seus deleites com a lavagem de pratos, talheres & afins, e é nela que me inspiro pra escrever este post hoje. Acontece que fiquei encafifada com o assunto por dias... fiquei tentando descobrir o que mais me agradava nas prendas domésticas, mas nada, nada me vinha... e o pior é que aquilo começou a me incomodar... Eis que o final de semana chegou e com ele a necessidade de manter o Mukifo limpo e arrumado, e daí, como numa cena de filme em câmera lenta, veio a deliciosa descoberta... fiquei feliz em ter de limpar a casa!!!!!!! (lerê lerê lerê lereleiê). Comecei a tirar o pó, pelo quarto do meu filho, primeiro a coleção de carros possantes e raros, depois os heróis, alguns bombados e destemidos outros carismáticos e sedutores, passei para os livros de histórias, as fitas de jogos e os filmes passeando pelo mundinho dele. As vezes o próprio me ajuda e compartilhamos a tarefa de tirar o pó ou arrumar a bagunça! Depois passei pro quarto do Casal e comecei passando o paninho pelos livros, a caixa de bordados, guardei roupas e sapatos, contas e documentos. Passeei pelo nosso mundo também... casais realmente tem 'detalhes tão pequenos só dos dois'...!!!! Depois fui pra sala. Percebi também que faço tudo sempre na mesma ordem, cômodo por cômodo. Meu marido me ajuda muito, sempre varre, porque ele é melhor com isso. Fui pra bancada, tirei o pó da TV, do som, dos CDs, nossos vinis... humm nossos vinis... coloquei pra tocar os Smiths... ‘and if they don’t believe us now, will they ever believe us?’ oooouuuuuouou nanana…, acho isso o máximo realmente, e enquanto dançava, fui exterminando a poeira.


Preciso confessar, coisa que eu não gosto muito é limpar as janelas, dão muito trabalho, e quase nunca ficam perfeitas... limpo o que dá e como dá, sem traumas. Os vidros sempre ficam embaçados, mas nem ligo, porque gosto mesmo das janelas abertas pra entrar sol e vento. Passei então pra cozinha e lavanderia, sem muita coisa pra contar. Finalizei no banheiro, como sempre, porque simplesmente a-dooo-ro essa parte de mexer com água e produtinhos. O único inconveniente do vinil é que eles tem lado A e B e cada lado dura muito pouco. Virei o disco e ao som de ‘the boy with the thorn in his side’... fui passando primeiro o limpa limo no box, argh o cheiro é muuuito forte, mas não conheço outro jeito de arrancar aquelas coisinhas verdes entre os azulejos, daí fui pra pia, depois o vaso, e de novo o box agora então com o esfregão. Lava, lava, lava, esfrega, esfrega, esfrega. Acabei tomando um bom banho, escolhi outro vinil, desta vez Ira! ‘pense num dia com gosto de infância...você ainda pode sonhar’, acendi um incenso de erva-doce e fui pra cozinha começar o almoço. Meu marido já havia terminado sua parte e me fez uma caipirinha, meu filho jogava pingue-pongue no corredor e eu lá da pia fiquei olhando com o maior orgulho, e pensando, ‘meu, sou muuuuuitttoooo boua na faxina!!!!!’. Foi demais!!!!!